Radiant 2 chegou ao fim há alguns dias em seu 21º episódio. 

Mais dinâmico que a temporada passada o shonen de aventura baseado no mangá do autor francês Tony Valente trouxe novos e interessantes personagens, um arco inédito e parece ter se afastado das críticas que o perseguiram anteriormente.

A receita para um bom shonen é simples e bem antiga datando dos tempos do Dragon Ball clássico. Temos geralmente um protagonista jovem, sonhador e com grande potencial a ser desenvolvido possuindo como motivação algum forte objetivo indo desde ser o mais poderoso dos sayajins, o próximo rei dos piratas, o próximo houkage e, no caso de Radiant, descobrir o local onde os Nemesis nascem e destruí-lo.

Aqui no Brasil shonens correspondem ao estilo de anime onde reside a grande massa da audiência que é o público adolescente entre 12 e 18 anos. O problema é que este é um público extremamente crítico e impaciente, ávido por ação e altas aventuras além de um protagonista carismático com quem possam se identificar. Quando um anime surge prometendo ser o novo shonen da praça e não cumpre a expectativa podemos aguardar muitas, mas muitas críticas.

Foi exatamente isso que aconteceu com a primeira temporada de Radiant exibida em 2018 (21 episódios). Nos 12 episódios iniciais a trama se preocupou mais em explicações e detalhamento sobre os personagens e o protagonista Seth. Me lembro que na época a série foi duramente criticada como tediosa, chata e lenta no entanto houve certa redenção pois o arco final da cidade flutuante trouxe mais ação e um incrível combate de encerramento.
Um ano depois veio esta segunda temporada que teve início em Outubro de 2019 finalizando-se em Fevereiro de 2020. Radiant 2 apresentou mais ação trouxe um Doc agora criança, uma Mery preocupada e três personagens estreantes: o guardião Merlin, a novata Ocoho e a rainha gigante Boudica. Aqui a série mostra suas particularidades com personagens bem construídos não sendo apenas um "copia e cola" preguiçoso de clichês manjados. O coadjuvante Dragunov volta a ação junto a Lieselotte que ganha mais presença em cena, Seth finalmente adquire mais controle de seus poderes com a ajuda de Merlin e uma grande batalha contra os inquisidores pela posse das terras de Cyfandir foi travado.
Novamente produzido pelo estúdio Lerche com direção de Seiji Kishi o anime manteve o visual polido mas apresentou um ou outro episódio com animação precária certamente devido a produção mais apertada. Mesmo assim Radiant conseguiu angariar novos fãs e deixar uma melhor visão de si mesmo. Como base de comparação a primeira temporada recebeu apenas nota 6.91/10 no Myanimelist já a continuação está com 7.70/10 até o momento. (Observação: Estas notas são atribuídas pelos usuários e podem variar com novos votos computados)

O destino de Radiant por enquanto é incerto e apenas o tempo dirá se haverá ou não uma terceira temporada.

Deixe seu comentário e se curtiu, compartilhe.

Confira outras postagens em nossa Home.

Nos siga nas redes sociais.

Valeu e até a próxima.

* Abertura linkada diretamente do Youtube de acordo com políticas de compartilhamento.